Uma Chanel mais íntima e delicada…

Uma Chanel mais íntima e delicada…

O novo percurso de Virginie Viard, diretora criativa da Chanel, marca uma mudança de ritmo, desde o cenário bombástico da era Karl Lagerfeld para uma abordagem mais íntima e delicada.

A grandiosidade da encenação no Grand Palais tradicional costumava indicar a criação de um mundo de sonhos, mas (até agora), sem foguetes ou icebergs reais, a atmosfera é mais aconchegante e a coleção refletia esse clima de pureza.

O tecido bouclé de assinatura tornou-se mini-vestidos fáceis e ternos de macacão e, quando as jaquetas eram usadas com calças curtas, proporcionava um clima de verão, que o fundo cinza não revelou à primeira vista.

É uma mulher mais nova, dinâmica em vestir e pensar. Ela foge para os telhados de Paris para encontrar o silêncio, longe do caos e buscando privacidade.

Havia as garotas do 16º arrondissement com clássicos da Chanel atualizados e os boêmios chiques da classe alta com vestidos estampados longos e sem peso. As minissaias estavam por toda parte e em todas as formas: lisas, em forma de balão, plissadas, com babados e com babados – um toque muito feminino em uma coleção já mais jovem.

O trabalho de Viard na Maison está indo na direção certa; substituir Lagerfeld não é uma tarefa fácil. Mas ela está injetando, estação a estação, uma sensação de frescura que estava faltando no passado.

Para o registro, o final mereceu o inesperado: a comediante e cômica francesa do YouTube Marie Benoliel, conhecida como “Marie S’Infiltre” (@mariesinfiltre no Instagram), pulou na passarela – ignorando a segurança e andando com as modelos até Gigi Hadid mandar ela para fora do palco.

Assista ao vídeo da coleção Primavera/Verão 2020 da Chanel…

 

Grande abraço e até breve!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *