Tendências da Semana de Moda em Milão – Primavera/Verão 2019

Tendências da Semana de Moda em Milão – Primavera/Verão 2019

Milão marcou com desfiles surpreendentes, elegantes e memoráveis. Não tem como não se deslumbrar pelo “espírito” que a cidade fica com a temporada da Semana de Moda.

Muitos dos desfiles apresentados foram ansiosamente aguardados, o da Moschino foi, sem dúvida, o que mais chamou a atenção das mídias sociais. E com razão, pois o diretor de criação da marca italiana, Jeremy Scott, apresentou mais uma vez um desfile espetacular, com uma coleção que brincou com os códigos de costura.

 

 

Embora o desfile de Prada tivesse como finalidade vender roupa, também conseguiu transmitir uma mensagem política. Numa altura em que as questões políticas estão no centro de todos os debates na Itália, com um novo governo ferozmente decidido a fechar as suas fronteiras aos refugiados, esta coleção foi simultaneamente uma clara mensagem política e uma declaração estética.

A estratégia de Miuccia Prada foi clara: pegar em referências burguesas clássicas e subvertê-las com padrões, tecidos, imagens e estampados improváveis.

Miuccia fundiu tie and dye e estampados psicodélicos com fotografias da campanha e imagens de homens e mulheres nus em casacos, vestidos e saias de tênis muito apropriados, rompendo todos os clichês do que supostamente seria um guarda-roupa clássico.

A criadora integrou uma boa quantidade do vistoso nylon que é a sua marca registrada, subvertido pela escolha de cores (limão, verde ou cobre) e associado a calções em cetim e sandálias elásticas ao estilo grego. Um quarto das modelos usava óculos de sol em forma de olhos de mosca, mas decorados com pétalas de plástico. Outras tinham fitas de cabelo falsas na cabeça, como a aristocrata romana Agripina.

Miuccia também apresentou mini-tops com estampado de corda, usados de forma particularmente espetacular por Kaia Gerber. A maioria dos looks apresentados foram complementados por meias até ao joelho em nylon transparente com grandes logotipos Prada triangulares. Mas, as ideias mais ousadas foram os sensuais vestidos cocktail com lantejoulas gigantes, que tilintavam enquanto as modelos percorriam uma vasta passarela, a qual foram acrescentadas dez fileiras de bancadas gigantes, no interior da Fondazione Prada.

 

 

“A ideia principal era falar sobre o que se passa no mundo nos dias de hoje. Um desejo de liberdade e emancipação, e até de fantasia, confrontado com um conservadorismo extremo. Eu queria tentar representar o confronto dessas ideias contrárias.

Paul Surridge apresentou a sua proposta para a Roberto Cavalli. Ao comando do estilo da marca há um ano, o britânico desvendou, em Milão, uma coleção feminina para a primavera-verão de 2019, versátil e dinâmica, atualizando os ingredientes que conduziram a casa florentina ao sucesso. Com roupas sensuais, materiais luxuosos, savoir-faire artesanal e um toque de glamour. Tudo remixado com um toque um pouco mais esportivo e moderno.

Entre alguns vestidos compridos e trench coats (em seda estampada ou prateada), a silhueta da Roberto Cavalli para o próximo verão é ultra-curta e desnuda o corpo. Com calções coloridos ou pequenos vestidos justos com efeitos drapeados, decotes profundos, ombros desnudos, blusas de mangas compridas que se amarram no peito para revelar a barriga e o umbigo ou ainda vestidos que se abrem nos flancos.

O criador retoma os estampados de animais típicos da casa, mas em grafismos mais modernos, declinados em tons bege, cinzento e verde desbotado. Surridge também trabalha com peças de couro em relevo (incluindo vestidos sem alças, calções e sutiãs) em tons terracota ou construídas como um mosaico através de uma colagem de quadrados de cores diferentes.

O espírito mais esportivo e quotidiano do guarda-roupa traduz-se numa série de peças mais simples e fáceis de usar, incluindo a bermuda de ciclismo. Um elemento chave da coleção, é usado sob casacos largos ou camisas longas e fluidas, mas também com pullovers ou tops cobertos com lantejoulas. Este mesmo calção é decorado com cristais e bordados para a noite.

 

 

Paul Surridge inspirou-se nos artesãos de Marrocos, para onde viajou recentemente, utilizando lantejoulas marroquinas também em vestidos e casacos bordados, assim como os tradicionais tapetes berberes de franjas ou decorados com lantejoulas prateadas, que são reinterpretados em alguns conjuntos.

A Dolce & Gabbana chamou desde o influenciador italiano Mariano Di Vaio até a sobrinha da princesa Diana, Kitty Spencer, e das modelos Sara Sampaio e Barbara Palvin à ícone da moda plus size Ashley Graham. E depois mães, filhas, avós, sobrinhas, maridos e mulheres, escolhidos ao acaso.

 

 

Além da “Família Dolce & Gabbana”, Giorgio Armani também apresentou sua coleção no último dia da MFW. Depois de ter exibido sua marca mais moderna e acessível, Emporio Armani, no Aeroporto de Linate, o designer apresentou sobriedade na nova coleção de sua maison, com um espetáculo chamado “A forma das cores”.

O italiano apostou na elegância com uma paleta de tons fortes, jaquetas curtas, calças com caimento fluído e variações de azul que lembravam a superfície do mar.

Giorgio Armani ocupou o aeroporto de Linate para uma ode apaixonada a Milão, a sua cidade adotiva, num grande evento seguido de um show de Robbie Williams. “Boarding” (embarque) foi o título do desfile, anunciado em todo o aeroporto e também no centro de Milão.

O enorme logotipo branco em forma de águia da Emporio Armani, que pende sobre o hangar principal do aeroporto de Linate, é um verdadeiro marco da cidade há um quarto de século, símbolo emblemático do status de Milão como a verdadeira capital da moda italiana. Ainda que os seus 2.500 convidados entrassem no edifício provavelmente pela primeira vez.

Num desfile incoerente, Giorgio Armani passou em revista as várias fases atravessadas pela Emporio, possivelmente a mais bem sucedida linha de difusão de qualquer grande designer na história da moda.

 

 

Armani continua sendo um mestre da alfaiataria, e os seus tailleurs com cortes lânguidos, as suas calças de linho herring bone e os seus mini-blazers foram fabulosos para os homens. Mas, para a noite, Armani explorou em profundidade os tons pastéis fluorescentes característicos de muitas peças da Emporio Armani nos últimos tempos. Estas cores do arco-íris, tão bonitas no céu. Usando nylon, lantejoulas e plumas para criar uma gama sexy de vestidos de noite para as mulheres.

Os milaneses adoram, sem dúvida, este criador. O que faz sentido. Ninguém trabalhou mais do que Giorgio Armani para promover esta cidade como centro de excelência em matéria de moda e design.

Giorgio Armani, também, encerrou a temporada de moda de Milão com uma exposição cuidadosa e brilhante, e um desfile de moda elegante.

Tão logo Armani fez sua reverência depois de apresentar a coleção primavera/ verão 2019 de sua marca e posou para fotos com Cate Blanchett e Valeria Bruni Tedeschi, o designer atravessou a rua para a inauguração do Armani / Silos, seu museu e centro de arte, que abriga uma exposição muito aclamada pela crítica dos trabalhos de Sarah Moon, a fotógrafa responsável pelas duas últimas campanhas publicitárias de Giorgio Armani.

“Foi um prazer trabalhar com a Sarah, o que me deu a ideia desta exposição. Tem sido uma verdadeira revelação, tamanha criatividade!”, maravilhou-se Armani enquanto percorria o espaço da exposição. Esta é uma grande exposição que inclui desde os primeiros trabalhos de Moon na década de setenta até 2018, e incorpora algumas imagens intensas de pássaros, de arquitetura antiga, e fotos de dança nunca antes vistas, inspiradas por Oskar Schlemmer. Uma exposição impressionante que ajuda a estabelecer Armani Silos como um espaço de exposição imperdível.

 

 

Quanto ao desfile de moda da Armani, este foi uma ode à forma como a luz brinca nas superfícies de tecidos e silhuetas, em vários tons de lilás, rosa, cinza prateado e azul gelado. Armani apresentou terninhos e smokings acinturados, e calças levemente onduladas, combinados com fedoras gigantes, turbantes e algumas mochilas em miniatura com estampa de lagarto. Para a noite, ele apresentou vestidos longos cruzados com pregas e bordados brilhantes. Uma coleção deslumbrante, intitulada The Shape of Color. A silhueta era esbelta e alongada, criando um efeito de sonho; o clima era muito elegante e a atmosfera era alegre, reforçada por botas combinando e pela trilha sonora eletrônica funk  “Low Alpha Waves”, de Echoel.

Ao final do desfile, Armani foi recebido com aplausos e voltou aos bastidores com um  grande sorriso em seu rosto de 84 anos, antes de reaparecer para uma sessão de fotos com os convidados da primeira fila, e depois liderar uma legião de fãs, amigos e familiares do outro lado da rua para Armani / Silos. Como sempre, o octogenário mais trabalhador da península italiana.

Até breve!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *